terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Festas e o Poder da Cura

     Quem saberia dizer que em tempos de modernidade as comemorações e festas, Natal, Ano Novo e coisas da mesma espécie, poderiam apresentar um resultado tão eficaz no combate às doenças. Sim verdade, eu pesquisei, pesquisa de campo ainda, acho que Jesus e a religião, ou melhor a fé, têm até inveja do poder de cura das festividades!


     Todos os dias que sigo em direção ao meu trabalho, eu passo por uma região onde existe um complexo Hospitalar, com pronto socorro, clínicas, farmácias, consultórios, tudo que é estrutura de saúde. A cidade aqui é conhecida, por ser referência em saúde e tratamentos diferenciados. Por isso, é evidente que inúmeras pessoas de outros municípios e regiões se desloquem até Passo Fundo para receberem tratamentos de Saúde qualificado, justamente por a cidade ser maior e apresentar alternativas de cuidados melhores. Até aí tudo bem, mas o fato é que todos os dias da semana, as ruas, restaurantes e praças próximas ao local, ficam lotados de "estrangeiros" pessoas que sofrem, com suas enfermidades, normalmente idosos e crianças, viajando muitas vezes até centenas de kilometros em busca de saúde.
     Quando eu me deparo com essas pessoas fico com o pensamento longe, tentando entender onde fica os direitos de saúde, será que se perde no salário dos Deputados? Posso chamar esses "estrangeiros" de sujeitos dententores de direitos sociais?
     Todos sabemos a situação (me desculpem) filha da puta que é viajar horas com dores, sofrendo e sofrendo!

     Onde está o nosso dinheiro, o dinheiro dessa gente que trabalhou a vida inteira, para agora ter direito "a viajar com dor". É uma lástima sem tamanho, o despreparo dos municípios, estado e país. Por alguns momentos eu para no meio da calçada...observo...questiono...indico...não entendo.

     Bem, até aí foi algo que eu precisava dizer. Mas muito curioso, por assim falar, é algo fenomenal, o poder de cura das festas, principalmente daquelas carregadas de costumes.
     Como fiz referencia anterior, estou acostumado a tráfegar em ruas próximas a centros de saúde, e normalmente, muita gente de cidades do interior ali permanecem durante o dia. Mas na última semana do ano, antes do natal e até uns 3 dias após o ano novo, tudo era silêncio, tranquilidade e nada de gente do interior!
     Ou seja, as festas curam!!!! Parecia algo como o fenômeno de confluência das águas, algo extraordinário!
     Foi lindo de ver, pessoas em suas casas, confraternizando, soltando foguetes, sem dores, sem problemas, parecia que o mundo acabaria na virada!

     Mas não acabou, e a dor voltou e agora parece mais forte, porque as pessoas estão com ainda mais dor, cara de sofrimento e tristeza absoluta. Talvez o calor, ou a bebida ou as comidas tradicionais, ou os presentes e as contas para pagar!



     Não sei ao certo, mas de algo eu estou convencido, presidenta Dilma, tem que decretar no mínimo, 2 feriados de natal e 2 feriados de Ano Novo, imagina só vai ficar pelo menos 1 mês sem doentes, a economia vai girar, não é mesmo ? poderíamos chamar de ano Carnaval 2011 - 1 e ano Carnaval 2011 - 2. Seria o máximo!

     Povo brasileiro vamos ter vergonha na cara, ser desonesto até quando se está doente é de dizer "puxa vida!"

     Por isso, quando sua esposa falar, "estou com dor de cabeça". Você diz pra ela: "É Natal!"

     Tudo vai ficar Bem!!!!!!

sábado, 8 de janeiro de 2011

Eu procuro por aí...

Eu procuro por aí...alguém que possa me explicar algumas coisas sobre o amor e sobre como devo me sentir.
     Queria entender o que realmente é esse sentimento, que afugenta mentes e descontrola corações. Por isso converso com pessoas que têm vidas maravilhosas e as observo com objetivo de aprender, de ser guiado através de um caminho que contenha fome de romantismo.


Eu procuro por aí...alguém que deseja estar junto, ser feliz, estar apaixonado, viver inspirado!
     Quero encontrar essa pessoa e fazer perguntas, entender o que move seus sonhos e quais seus planos para o futuro. Falar sobre sentimentos é sempre complicado, cada coração sente a essência do amor de forma diversa. Se o futuro nos reservou o inesperado, ao mesmo tempo é certo que a vida virtuosa passa por conquistas amorosas e se as conquistas parecem longe, qual é o caminho ?


Eu procuro por aí...palavras que possam descrever como um amor pode ser digno de louvor.
     Não sei ao certo o que os "grandes" corações sentem, mas aos prazeres da alma, o horizonte vem chegando e trazendo com ele o brilho, a luz da união, com afeto sereno, a iluminação da paz......

sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

Richie Kotzen no Brasil

     Quem conhece bem a carreira de Richie Kotzen sabe que, apesar de ter feito seu nome principalmente por participar de duas grandes bandas de Hard Rock (Poison e Mr. Big), o guitarrista sempre se caracterizou por sua versatilidade em variados estilos, explorando sons inimagináveis para um músico do mundo do Rock pesado. E assim é o Wilson Hawk, projeto realizado em parceria com seu grande amigo Ritchie Zito, produtor renomado que já trabalhou com bandas como Tyketto, Bad English e The Cult, além de ter lançado seu próprio álbum AOR, chamado “Avalon” (de onde, inclusive, a música "I Promise I Will" foi retirada e regravada aqui). A sonoridade do trabalho é muito influenciada pelo R&B e a Soul Music das antigas, de nomes como Otis Redding, Al Green, Sam And Dave e Curtis Mayfield.

     “The Road” é o álbum de um músico resgatando suas raízes, como o próprio Kotzen declarou em recentes entrevistas: “Esse é um disco que eu sempre quis fazer. Tendo crescido na Philadelphia, fui exposto à verdadeira Soul Music. Bandas como The Spinners, The O’Jays e até mesmo o começo de Hall and Oates influenciaram minhas criações artísticas”.
     Portanto, não espere metal, nem nada com uma pegada mais pesada. Mas para quem gosta de música independente do estilo, essa é uma grande pedida, um play fantástico, onde podemos reverenciar toda a genialidade do grande mestre Richie Kotzen, que está cantando como nunca, uma performance de levar às lágrimas (e juro que pra me fazer chorar tem que ser algo de qualidade superior). Pra mim, até agora, o disco da minha vida! Fez-me lembrar os trabalhos dos Rolling Stones nos anos 70, quando eles colocaram uma forte influência de música negra junto com o Rock and Roll.
     Estarei em Porto Alegre no dia 13/03/2011 para acompanhar o que talvez seja uma das ultimas apresentações de Richie na América Latina, espero que não seja, mas a vida é inesperada!
     Fica o convite, o link de um video de algo que poderemos ter o prazer de ver novamente, boa música e muitos solos de guitarra. Além do Disco Wilson Hawk para download!




 Wilson Hawk
01. How Does It Feel
02. I Need Your Love
03. Over
04. Something in You
05. How Do You Know
06. I Promise I Will
07. Everything Good
08. Beautiful Life
09. What I Lost
10. Stay
11. The Road
65,1 MB
320 kbps

terça-feira, 4 de janeiro de 2011

Minimalismo é ser livre

     Ultimamente tenho encontrado vários artigos sobre a vida através do minimalismo, não somente aquele em sentido artístico e arquitetural, mas sim o minimalismo através da vida das pessoas, as suas necessidades e questionamentos.

     A proposta do Minimalismo é interessante e gostei muito do texto apresentado no site www.eumesintobem.com.br
    
     Por isso estarei reproduzindo logo abaixo, mas antes, fica a dica de um som, "Silverchair- Young Modern", são músicas muito legais, com arranjos inspirados na arte minimalística.




Minimalismo: a arte de identificar o essencial

     A vida da maioria das pessoas atualmente mostra-se extremamente atribulada. É muita coisa para fazer e muito pouco tempo para fazer tudo. Parece que os dias já não dão mais conta da quantidade de afazeres e era preciso que cada um tivesse 48 horas para que ficássemos satisfeitos.
     O resultado é estresse, infelicidade, problemas de saúde, dívidas e dezenas de outros problemas.
Será que tem que ser assim? Será que precisamos passar nossas vidas trabalhando para comprar coisas que na verdade não precisamos só para agradar outras pessoas enquanto nós mesmos vamos ficando infelizes?
     Começam a surgir movimentos que param para pensar o estilo de vida que estamos levando nesse comecinho de século XXI. Um deles é o movimento minimalista - que na verdade existe há muito tempo, mas agora vem ganhando mais força.
     O minimalismo prega que você deve ter menos, consumir menos, fazer menos coisas. Assim, terá tempo para o que realmente importa na vida: divertir-se, ficar com os amigos e familiares, cuidar da própria saúde.
Muita gente rejeita essa ideia por acreditar que uma vida minimalista é uma vida sem graça, sem nada o que fazer. Mas o objetivo é justamente o contrário. É criar tempo e espaço para fazermos o essencial.
     O lema dos minimalistas é: identifique o essencial, livre-se do restante.
     Isso pode ser aplicado no seu trabalho, na sua casa, na sua alimentação, na sua rotina de uma maneira geral. Que tal começar?