sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

Esperando Passar

     Eu estava esperando passar as lembranças da tragédia e a dor que sugere as injustiças. Agora na memória das pessoas fica o vazio, as incertezas da vida, a dor da perda e a insignificância.
     A filosofia jurídica já apresentou teorias sobre a suspensão do homem, suas angústias pela passagem em um mundo que não lhe pertence, de onde viemos? Para onde vamos ?



     Não sei se todos os afetados pelo trauma chegam a pensar em ideologias superficiais e se nessa altura usam a razão para alguma coisa, difícil saber, complicado consolar, não existe recomeço, não existe nada além de vítimas.
     Só resta vítimas, é o que todos somos, vítimas, de um país dividido, Estado arrogante, de cunho comercial, injusto pela sua natureza hipócrita, de politicagem egoísta, um país miserável de ética.

     Agora parece que o desastre passou e o assunto é um mínimo de R$ 545,00 ou o Big Brother Brasil ou o Ronaldinho Gaúcho e seu Mengão!
     Passou mesmo ? Será que a criança da figura abaixo já não sente mais o cheiro da morte ?


     Quando as pessoas já esqueceram o desastre natural e estão mais preocupados com a novela, parece que fica claro nosso futuro de drama, o Deus da morte lá de cima, apenas faz parte da imaginação fértil do povo, que busca consolo, na sua própria incompetência de lutar por direitos. As chuvas e a terra escondem os problemas de planejamento habitacional, segurança, infra-estrutura, agora isso já não precisa mais, está bem enterrado à pelo menos sete palmos.


     E enterrada, ficou também nossa dignidade de povo, nossa humanidade e espírito solidário aflito, sabemos doar suprimentos, sabemos falar em defender a democracia liberal, mas não sabemos proteger vidas, de nada adianta, enquanto as coisas vão dando errado, ficamos...esperando passar...

  

     E se nossa única razão de lutar, foi embora, será possível trabalhar e ser gente novamente ?

     Fiel as minhas convicções e todos os entendimentos que tenho sobre a tragédia por si só, e as vezes que isso vai se repetir no Brasil, por despreparo e negligência do povo e do governo. Fico convicto que a vida das pessoas teve um fim antecipado, a terra abreviou a vida, chegou mais cedo, e só restou para o futuro a chuva que transformou-se em lágrimas.