domingo, 20 de março de 2011

Um Fim Sentimental

     Parece que com a última postagem, eu fiz uma premonição. Foi várias situações curiosas para não dizer tristes. Tenho visto que com o novo mundo e com as novas demandas sociais, tudo vale muito e tudo vale nada!
      Ontem quando as coisas seguiram seu provável "Fim Sentimental" abarrotado de lágrimas imaturas de um ser passional, as minhas convicções novamente se abriram. Não sei como e nada sobre viver de uma forma mais racional. Mas nesses perigos e armadilhas da vida moderna, as situações emblemáticas acontecem certamente trazendo ensinamentos sobre garotas "Haha" sobre as mentiras, sobre o desinteresse e o desrrespeito.

     É improvável que qualquer texto ou mensagem ou apelo possa mudar você ou sua forma de agir. Mas nunca são precoces aqueles que vivem da virtude da palavra. A mentira é uma ruína e nada melhor que afastar seus efeitos do nosso dia.

      Em toda minha vida, jamais tinha sentido o que senti! Se a vergonha de outro alguém fosse tudo aquilo que vi, talvez jamais a paixão estivesse em meu coração novamente! Mesmo assim te ver lá através da mentira foi como uma dor que não sentimos, apenas matamos mais um pouco do nosso coração! 

Segue a coluna de um grande escritor que com suas palavras serenas, enobrece nossa alma!


9 de março de 2011 | N° 16644
PAULO SANT’ANA


Sentir falta

A um amigo que estava no Exterior, eu disse pelo telefone transcontinental: “Tenho a certeza que o que mais me aflige não é a tua ausência. O que mais me aflige é a incerteza e a dúvida sobre a tua volta.”

Isso sobre a distância da gente com as pessoas queridas é um assunto muito grave.

Pior que a distância que nos separa de uma pessoa amada é saber que ela nunca mais voltará para nós.

Quando a distância é passageira, quando dias ou meses depois a pessoa amada volta, a gente tira de letra.

Mas e quando a pessoa amada não volta mais, que fazer da dor e do vazio que nos consomem?

Não há nenhuma diferença entre uma pessoa que amamos e nunca voltará para nós, apesar de viva, e a pessoa que amávamos, que morreu, e assim nunca mais a veremos.

Não há nenhuma diferença. Uma pessoa que amamos mas nunca mais será nossa é a mesma coisa que se tivesse morrido.

Quando eu amo uma pessoa, peço a Deus que faça com que eu morra antes dela. Ela morrer antes de mim me causará uma dor inenarrável.

Não há maior dor espiritual do que assistir a um enterro de uma pessoa que se ama.

Eu às vezes desconfio que esta história de que a finitude da vida foi a coisa mais bem feita pela natureza é uma balela.

Sei muito bem que, se a vida não tivesse fim, se fôssemos imortais, a vida perderia um encanto essencial.

Mas acontece que é tanto terrível assistir-se à morte de uma pessoa amada quanto saber-se que é concreta a hipótese de que morramos e deixemos sobrevivendo nesse mundo a pessoa que nós amamos.

Duas pessoas que se amam deviam, para a vida ser perfeita, morrer no mesmo instante, dentro de um avião em queda livre ou soterradas por um terremoto. Mas no mesmo momento.

Porque não há nada mais trágico, desastroso e dolorido do que sobreviver à morte de uma pessoa amada.

Quando pararem todos os relógios da minha vida e a voz dos necrológios gritar nos noticiários que eu morri, não quero deixar neste mundo nenhuma pessoa que me ame: quero livrá-la deste gigantesco sofrimento.

Não há nada mais triste nem caótico que sentir falta de alguém. É tão triste sentir falta de alguém que morreu quanto sentir falta de alguém que está vivo. Nem sei qual a mais lamentável falta.

Deus permita que em todo o pequeno resto de vida que me sobrou eu não sinta falta de ninguém.

E que ninguém venha a sentir falta grave e profunda de mim.

2 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Não há nada mais triste nem caótico que sentir falta de alguém. É tão triste sentir falta de alguém que morreu quanto sentir falta de alguém que está vivo

    ResponderExcluir